I’m still alive – Update do meu paradeiro

Not dead yet

Contrariando as estatísticas, ainda estou vivo \o/

Not dead yet

Como de praxe, faz tempo que não posto nada por aqui, quase não tá sobrando tempo pra abrir o notebook e escrever, mas o que mais consome tempo nas postagens são as fotos, porque eu não quero simplesmente joga-las aqui do jeito que eu tiro, como não sou nenhuma espécie de fotógrafo nem nada, então preciso edita-las antes e isso acaba demorando e perco o pique de postar. Por isso, além das postagens mais detalhadas aqui, to com ideia de criar tipo um vlog de viagem com resumos (semanais? quinzenais?) do que tá rolando, onde eu estou, o que fiz, quais meus planos, etc.

Mas enfim, chega de desculpas, vamos lá sobre meu paradeiro:

No momento to em Quito, capital do Ecuador, cheguei aqui na terça-feira (22/04) e não tenho planos de quando vou pra outra cidade.

Pra variar eu estou novamente gripado, é incrível, a cada cidade que eu vou com grandes mudanças de temperatura e altitude eu pego uma nova gripe, mas essa creio que ainda é “filha” de Medellín (Colômbia). Quito está há 2850 metros acima do nível do mar e a temperatura média é de 15 graus. Quando saí do Brasil estava um calor infernal, cheguei em Bogotá com um puta frio… gripe, fui pra costa do Caribe com seu calor infernal… gripe, fui pra Medellín no meio do país e um clima muito agradável (a cidade é conhecida como a ‘eterna-primavera’), ok lá eu fiquei numa boa, mas aí fui pra San Andrés, caribe, calor e tals, quando volto pra Medellín… gripe, e então venho pra Quito que é sempre frio e chuvoso… griiiipe. Nota-se minha super resistência e alta imunidade #sqn. Mas é isso, faz parte. Já estou tomando vitaminas e me alimentando corretamente.

Minhas metas agora aqui no Ecuador são as seguintes:

Estou me recuperando da gripe e aproveitando para me “aclimatizar”, que é o tempo/processo de estadia em um determinado local para se acostumar com a altitude. Mesmo depois de 5 dias ainda sinto alguns efeitos da altitude, como por exemplo ao subir uma escada fico mais cansado que o normal.

Teve até uma conversa “engraçada” com um agente de turismo que ao perceber meu sotaque perguntou se eu era do Brasil, quando falei que era, ele soltou: “Ouchh estas en la mierda amigo, los brasileños tienen mucho más dificuldad con la altitud”. Ou seja… tô en la mierda hahaha.

Segunda-feira (28/04) vou à Laguna Quilotoa, 3914 metros de altitude, que é uma “lagoa” dentro de um vulcão inativo. Já está tudo reservado com a agência de turismo que faz esse passeio. O nível de dificuldade desse é leve, apenas pode haver problemas com a altitude, mas o trekking é leve.

Depois um ou dois dias depois vou subir o vulcão Pichincha, 4784 metros de altitude, já esse é um vulcão ainda ativo que fica próximo de Quito. Ainda estou atrás de um parceiro de trekking, mas como a maioria dos turistas que vem pra cá são bundões, vou ter que contratar um guia pra me acompanhar. Ir sozinho no way!

Aí sim depois desses trekkings eu já estarei bem mais preparado e aclimatizado, então agendarei minha ida ao cume do grandioso e imponente Cotopaxi, 5897 metros de altitude. Será um sonho realizado, mesmo que eu não consiga chegar ao cume, só de estar “tocando” nessa maravilhosa obra de Deus será um presentaço pra mim. O grau de dificuldade do trekking é médio, porém o que dificulta muito é a altitude e o frio congelante (até 20 graus negativo) junto com um vento fortíssimo e quando chega próximo ao cume tem que fazer uma pequena escalada no meio do gelo e neve glacial.

E então após completar (ou pelo menos tentar) essas metas, sigo para outras cidades que me recomendaram, como: Baños, Canoas, Montañita e Cuenca.

Esses são meus planos no Ecuador, mas como vocês sabem, não me prendo a planos, tudo pode mudar de uma hora pra outro, como na Colômbia, onde eu queria ficar mais ou menos 20 dias e acabei ficando 1 mês e meio =P

Então é isso meus estimados amigos, assim que eu conseguir parar novamente irei postar sobre os lugares que ficaram pra trás como: Tayrona, Cartagena, Medellín e San Andrés. Também vou tentar produzir o mais rápido possível um vlog.

I’m still alive, walkin’ in the sunshine and if I die, I’m dyin’ with a smile on my face. (AMB)

                  

About author View all posts Author website

Daniel Vieira

2 CommentsLeave a comment

  • Que demais Dani!!
    Esperando o post de San Andrés, haha
    Qual a melhor maneira de ir pra lá partindo de Cartagena?
    Não achei voo pra lá no site do Viva Colombia

    Beijos e boa trip (:

  • Hahahaha valeu Marjoly!
    Então, pra ir pra San Andrés pela Viva Colbombia você tem que partir de Medellin. Um vôo de Cartagena pra Medellin é bem barato, eu paguei só 39.000 COP. Se partir de Cartagena, tem que ser Avianca e outros que são extremamente mais caros.
    Tente muito fazer essa trip, vale a pena demais!
    Beijos e boa trip pra você também hehehe ;*

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.